Qualquer Canto #2 – Caio Nunez no Largo do Boticário

Raphael Sanguinete Qualquer Canto Leave a Comment

Qualquer Canto #2 – Caio Nunez no Largo do Boticário

Caio Nunez mostra todo o seu gingado ao cantar Quem Não Vê a Luz no Largo do Boticário.

[starbox]

Começamos hoje a postar a primeira série de vídeos da Rebuliço aqui em nossa área de conteúdo.

Quinzenalmente, iremos postar vídeos de séries variadas que exploram arte, indentidade e cidade em aspectos e contextos diversos.

“Qualquer Canto” traz novos artistas para apresentarem canções autorais que estão guardadas ou já não fazem mais parte de seus repertórios principais.

A cada vídeo, um lugar diferente da cidade é explorado, apresentando a beleza de cantos escondidos – ou nem tanto – do Rio de Janeiro. Através de textos e imagens, explicaremos um pouquinho sobre a importância e história destes lugares, que são também personagens nesta série.

————————————–
QUALQUER CANTO #2
————————————–
Caio Nunez – Quem Não Vê a Luz
@Largo do Boticário – Cosme Velho

[cp_modal display=”inline” id=”cp_id_17832″][/cp_modal]

Sobre o Largo do Boticário:

O Largo do Boticário fica no Cosme Velho. A entrada fica escondidinha e se dá por um beco estreito, o Beco do Boticário, que ganhou esse nome em homenagem a um famoso boticário dos tempos de império, Joaquim Luís da Silva Souto, um dos primeiros moradores da região. Muito bem sucedido, o boticário tinha entre seus clientes a própria família real.

As características mais marcantes do local são a vegetação Mata Atlântica, o Rio Carioca, que corre sobre uma ponte no local, e os exuberantes casarões em estilo neocolonial, construídos a partir de 1920 por Edmundo Bittencourt, fundador do jornal Correio da Manhã.

Cenário de filmes como “007 Contra o Foguete da Morte”, hoje o Largo do Boticário não tem o mesmo glamour de outras épocas, quando famílias tradicionais moravam no local e realizavam grandes festas e reuniões com personalidades. Atualmente, os casarões estão ocupados por pessoas sem-teto, que são responsáveis pelo cuidado do Largo.

Apesar do estado de degradação dos casarões, o local não perdeu seu charme e ainda recebe muitos turistas e fotógrafos realizando ensaios.

[envira-gallery id=”5111″]
[addtoany]
[cp_modal display=”inline” id=”cp_id_d9709″][/cp_modal]
[ultimate_author_box]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *